quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Corrida, dieta e determinação

Muitos pensam que correr mais e comer menos é garantia de perda de peso. Mas essa fórmula pode ser bem perigosa e nem sempre dá resultado: “Não devemos fazer mágica, como começar a correr e restringir demais a alimentação. Isso pode levar a mal-estar e hipoglicemia — falta de açúcar na corrente sanguínea — durante o exercício. Com esta febre de cortar carboidratos ficam ainda mais comuns as ocorrências de mal-estares desse tipo. É preciso fracionar a alimentação, comer a cada três horas, mas moderadamente”, explica o professor titular de nutrição da Escola de Educação Física e Esporte de São Paulo Antonio Herbert Lancha Jr.

Treinar rigorosamente e manter uma alimentação balanceada durante a semana não serão atitudes suficientes se, nos fins de semana, o corredor ignorar todo o trabalho dos cinco dias anteriores. Lancha recomenda autocontrole e diz que saber escolher é o caminho para não exagerar no sábado e domingo: “É preciso ser mais comedido nos fins de semana porque, se deixar, as pessoas começam exagerando no café da manhã e assim vão até o jantar, perdendo todo o esforço da semana. Pode-se escolher uma refeição por dia do sábado ou do domingo para comer sem se preocupar. Nessa fase a pessoa precisa começar a aprender a fazer escolhas, do tipo: vou tomar vinho ou comer sobremesa? Vou atacar o pão de queijo do couvert ou pedir um prato mais calórico?”.

Maior desafio, melhor alimentação
O organismo de uma pessoa que pratica corrida precisa de mais nutrientes do que o de uma pessoa sedentária. Isso porque, durante a prática do exercício, esses nutrientes extras é que vão garantir que o corpo suportará o esforço realizado e é para isso que a dieta do corredor deve estar direcionada.

“A melhor forma de emagrecer correndo é fazer uma dieta apropriada e aliada ao treinamento, para que a pessoa consiga treinar sem ficar debilitada”, diz a treinadora Juliana Gomes, lembrando que uma dieta pobre pode causar diminuição no rendimento do corredor, o que desmotiva qualquer um a continuar correndo.

A nutricionista esportiva Maria Luisa Belotto lembra: “A alimentação do corredor deve ser rica e diversificada, sempre atrelada a bom senso para compor uma refeição com todos os nutrientes”, conforme ela detalha a seguir:

:: Carboidratos: encontrados no pão, arroz, macarrão e raízes.
:: Proteínas: ingestão de carnes de todos os tipos, leite e ovos.
:: Fibras: vitaminas e minerais, encontrados em frutas, verduras, legumes e hortaliças.
:: Gorduras: presentes nas carnes e alimentos oleaginosos, como castanhas.

Sem disciplina não há resultado
Se o objetivo é emagrecer, a dieta e a assiduidade aos treinos devem ser encaradas com a mesma seriedade, caso contrário os resultados não vão aparecer. A relação dos treinos de corrida com a alimentação adequada é fundamental para que o corredor evolua na corrida e, consequentemente, queime mais calorias.

“Não dá para querer resultados sem abrir mão de alguns hábitos”, ressalta o treinador carioca Iazaldir Feitosa. Além de criar o costume de se alimentar melhor, estar determinado a cumprir suas metas é fundamental. “Se a pessoa quer emagrecer, ela tem de ter isso em mente. Atingir um objetivo é muito mais emocional, determinação e disciplina do que simplesmente querer”, complementa Feitosa.

Determinação também significa estar disposto a realizar o treino adequado. Se um corredor coloca sua meta de emagrecimento em segundo plano e falta aos treinos ou não segue sua planilha, todo o trabalho já realizado será perdido.

O treinador da Playteam Trainer, Augusto Cesar Fernandes de Paula, explica o motivo: “Se uma pessoa falta ao treino, o gasto calórico que ela teria naquele dia não vai ocorrer, mas ela continuará comendo e isso pode atrasar o resultado. Ao mesmo tempo, se ela falta a um treino e tenta compensar no dia seguinte, pode acabar se lesionando, porque vai treinar dois dias seguidos, sem descanso”. Portanto, respeitar os dias de treino e de descanso é imprescindível.

Perder peso e ganhar desempenho
Existe um consenso entre os treinadores que é o de que, quando o corredor que estava acima do peso começa a emagrecer, automaticamente seu desempenho na corrida aumenta. A treinadora Juliana acredita que emagrecer e aumentar o desempenho são coisas complementares. “É uma consequência, pois com o treinamento para emagrecer o corredor fica motivado, já que está perdendo peso e, a partir daí, quer aumentar sua performance.”

Quando o corredor já realiza um treino de corrida para emagrecer, a perda de peso só continuará ocorrendo se os treinos forem intensificados. Isso porque o organismo se acostuma ao esforço e é preciso dar um novo estímulo para que ele continue queimando gordura:

“Quando a pessoa é iniciante, só o aumento gradativo do volume de treino já é suficiente para que ela perca peso e isso aumenta o desempenho. Quanto mais ela perde peso, melhor será o rendimento na corrida”, ressalta o treinador da Playteam.

Além disso, o treinador André Villarinho lembra que treinos voltados para a melhoria do desempenho são os que mais surtem efeito. “Treinos feitos com o foco no desempenho podem emagrecer mais, principalmente quando traçamos objetivos a médio e longo prazo, aumentando a intensidade e o trabalho de corridas em subidas.”

http://o2porminuto.uol.com.br/

3 comentários:

  1. Olá!
    Adorei a matéria...posso dizer q somos um exemplo neste sentido, de que determinação e perseverança é a chave para um corpo em dia e saudável...

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Adorei a matéria...posso dizer q somos um exemplo neste sentido, de que determinação e perseverança é a chave para um corpo em dia e saudável...

    Bjs, Mágnor

    ResponderExcluir
  3. oi querida... estou passando para retribuir a visita... e já estou te seguindo por aqui!
    adorei a matéria...
    Tenha um ótimo final de semana!
    Beijos
    Kika

    ResponderExcluir