segunda-feira, 2 de agosto de 2010

O "barato" da corrida e os riscos de viciar

Correr é um esporte cada vez mais popular. E não é para menos: pode ser praticado em qualquer lugar e ainda ajuda a manter a saúde em dia. Mas atenção: quando vira um vício pode causar problemas

Atividade física é saúde. Alguém duvida? A prática constante de um exercício ou esporte diminui a ansiedade, ajuda a descarregar as tensões do dia-a-dia e promove inúmeros ganhos ao organismo. A corrida se insere nesse contexto e, por sua simplicidade de execução e baixo custo, ganha cada vez mais adeptos de todas as idades e classes sociais. Mais do que isso, vem entrando no receituário de médicos que enxergam no esporte uma forma de prevenir e tratar diversas patologias. Só para se ter uma idéia, já foram descritos mais de 20 benefícios fisiológicos decorrentes dessa atividade, desde o melhor funcionamento do sistema cardiovascular até a fixação de cálcio na matriz óssea, que combate a osteoporose.

"O conceito de qualidade de vida é muito valorizado hoje em dia. As pessoas buscam, então, exercícios que proporcionem mais contato com a natureza, como é o caso da corrida", diz Marcos Paulo Reis, especialista em treinamento desportivo. "Ela acaba se tornando uma válvula de escape, que contagia e deixa seus adeptos viciados", completa João Ricardo Cozac, psicólogo que atua na área esportiva.

Exagero falar em vício? Tudo leva a crer que não. Quando uma pessoa corre, o organismo produz substâncias, como endorfina, serotonina e dopamina, utilizadas pelos neurônios na comunicação do sistema nervoso - daí serem chamadas de neurotransmissores. O cérebro as produz em resposta à atividade física, de forma a relaxar o corpo, preservá-lo da dor e provocar sensação de prazer, euforia e bem-estar. "O aumento da freqüência cardíaca, durante o exercício, faz com que todo o organismo passe a absorver e utilizar mais oxigênio, tanto para os músculos quanto para o sistema nervoso central", esclarece Wanderlei de Oliveira, diretor da Federação Paulista de Atletismo e da Run for Life (SP). É por esse mecanismo que se dá a liberação dos neurotransmissores, que atuam no controle da tensão e da ansiedade, levando a um maior relaxamento e auto-confiança.

Mudanças na cabeça e no corpo
Além dessas alterações físicas, o vício no esporte acontece também por questões de ordem psicológica. "A ação da endorfina, juntamente com a sensação de missão cumprida ao terminar um treino, completar um percurso ou cruzar a linha de chegada de uma prova, traz uma enorme satisfação, que estimula a correr mais e mais", avalia o personal trainer Isaías Rodrigues. Há que se levar em conta, ainda, que a corrida é uma das atividades mais eficientes para emagrecer - e, por isso, muitos praticantes, especialmente mulheres, tornam-se dependentes na tentativa de manter o peso. Neste caso, o exercício funciona como contra-peso, uma forma de compensar os exageros à mesa.

VOCÊ PODE ESTAR VICIADO SE...
... CORRE DE CINCO A SETE VEZES POR SEMANA. ... CONSIDERA A CORRIDA COMO A ATIVIDADE MAIS IMPORTANTE DE SUA VIDA. ... SENTE IRRITAÇÃO E CULPA SE NÃO PRATICA. ... TENTA CORRER, MESMO QUANDO ESTÁ DOENTE, LESIONADO OU COM QUALQUER CONTRA-INDICAÇÃO MÉDICA. ... ACREDITA QUE SÓ CORRENDO CONSEGUIRÁ MANTER A FORMA.

"Tudo isso é potencializado se a pessoa teve o seu corpo transformado pelo esporte. Há aqueles que moldaram as curvas ou eliminaram muitos quilos correndo e temem perder tudo se pararem", alerta Wanderlei.

Quando existe uma certa obsessão pela imagem corporal, então, o risco de se viciar é maior. "Cuidar-se, de maneira adequada, significa zelar por si próprio. Mas alguns extrapolam - são os chamados 'ginastocólatras' -, estimulados por uma auto-idolatria que rompe os limites do aceitável. Tornamse compulsivos pelo exercício e dão uma importância descomunal a qualquer detalhe do corpo - mesmo que seja 1 kg a mais", diz João Ricardo.

Identificar benefícios no físico e não querer perdê-los - e, assim, tornar- se um viciado no esporte - não é, necessariamente, algo negativo. A dependência só começa a preocupar, se está prejudicando a pessoa de alguma forma ou colocando a sua saúde em risco. Basicamente, é importante ficar atento a três sinais de que algo está errado. Em primeiro lugar, observar se a corrida é tão importante que todo o resto - família, trabalho, amigos, vida social - fica em segundo plano. Também, perceber se a dependência faz com que a pessoa tenha sintomas de abstinência quando não consegue treinar, como irritabilidade, ansiedade e depressão. Em terceiro, checar se o exagero no exercício não está colocando a saúde em risco.

CORRIDA X DEPRESSÃO
O ESPORTE É UM IMPORTANTE ALIADO NO TRATAMENTO DA DEPRESSÃO. TANTO QUE, QUANDO ELE ENTRA EM CENA, MUITOS MÉDICOS DIMINUEM A DOSE DO REMÉDIO. SUA EFICÁCIA É TÃO GRANDE, QUE A ASSOCIAÇÃO MÉDICA AMERICANA INDICA O EXERCÍCIO COMO FORMA DE PREVENÇÃO PARA QUEM TEM TENDÊNCIA À DEPRESSÃO.

ESTUDOS NORTE-AMERICANOS DETECTARAM QUE 86% DE UM GRUPO DE CORREDORES SE SENTIA CULPADO, CASO PERDESSE UMA SESSÃO DE TREINAMENTO, E 72% FICAVA TENSO, IRRITADO OU DEPRIMIDO

Atenção para o excesso

"Caso não seja bem orientado, qualquer aluno está sujeito ao overtraining - o excesso de treinamento que leva à falta de equilíbrio e causa prejuízos à saúde", alerta Wanderlei.

Na corrida há várias conseqüências, como a liberação prolongada de hormônios na corrente sangüínea, que causa redução das defesas imunológicas e cansaço crônico, e o perigo de se sofrer com fraturas de estresse.

Correr demais também acelera a chegada das rugas. Isso ocorre por que o exercício faz o organismo consumir mais oxigênio e, dessa forma, detona a produção de radicais livres, moléculas responsáveis pelo envelhecimento dos tecidos. "Nas mulheres, o excesso pode levar ao surgimento de sintomas da 'tríade da mulher atleta': anorexia (transtorno alimentar), amenorréia (suspensão da menstruação) e osteoporose", salienta Isaías Rodrigues. Tal quadro tende a piorar quando não se toma certos cuidados, como dormir bem, hidratar-se e manter uma alimentação de qualidade. "Tão importante quanto o treinamento é o repouso. O corpo precisa desse tempo de recuperação", diz Marcos Paulo. O ideal, segundo ele, é correr três ou quatro vezes por semana, entre 6 km a 10 km.

Outra observação diz respeito às maratonas. Como pipocam provas o ano inteiro nas grandes cidades, principalmente Rio de Janeiro e São Paulo, se o corredor exigir demais de si mesmo pode sofrer com as conseqüências - sobrecarga nas articulações de tornozelos, joelhos, bacia e coluna, e fraturas por estresse.

Os professores de educação física ainda recomendam exames, que não devem ser feitos apenas antes do inicío do treino, mas com regularidade - pelo menos uma vez por ano. Entre eles: teste ergoespirométrico, que medirá os limites de treinamento aeróbico e anaeróbico, eletrocardiograma de esforço e ecocardiograma. Na hora da corrida, vale também priorizar os pisos macios (terra, grama, esteira), intercalar dois pares de tênis (que devem ser específicos para a prática do esporte), não correr de estômago vazio (pode causar hipoglicemia e perda de massa muscular) e, finalmente, parar e procurar ajuda médica, se sentir alguma dor ou desconforto muscular.

Dependente não admite vício

"Corro, em média, de cinco a seis vezes por semana, entre 8 km e 10 km. Depois ainda faço uma hora de spinning, o que totaliza quase duas horas de aeróbica por dia. Quando estou no Rio de Janeiro e só me resta a corrida, como atividade física, faço um percurso maior, de 15 km.

Sei que não é o ideal exagerar nos aeróbicos, mas sinto uma dificuldade enorme para diminuir. Se não vou à academia, fico mal e passo o resto do dia me culpando. A sensação, quando completo o treino, é de dever cumprido. Digo para mim mesma: 'agora sim, meu dia vai começar!' Não acho que seja viciada, embora admita que dependo da corrida para me sentir bem, bonita e com poder pessoal." (F.R.S., publicitária)


Revista Viva Saúde

21 comentários:

  1. Rô desculpe-me por não ter vindo aqui antes,mas hoje aqui estou e quero te falar vc está muito linda na revista parabéns, uma história de superação e tanto eu vi nas bancas e fiquei a pensar quem é esta garota acho que conheço ai quando de fato lembrei fiquei muito feliz te deixo um beijão bem grandão

    ResponderExcluir
  2. Bom dia. Nunca tinha me ligado que os exercicios podiam se tornar um vicio... vale a pena ficar de olho e cuidar para não ser de mais, nem de menos. Bjkas

    ResponderExcluir
  3. Oi Rô, tudo bem?
    Ai ai, eu sou doida pra participar dessas corridas, pequenas maratonas, tipo aquelas maratonas da família sabe, mas tenho dois problemas meu condicionamento físico é fraco e meus seios são enormes, e quando corro mesmo que seja só uma trotada, eles "sobem e descem" rs muito, doi de mais, sem contar que é um desconforto enorme e doi muito as costas..... mas assim que eu operar e reduzir as mamas, pode ter certeza que participarei de alguma corridinha.... é bom né!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oiii

    Esse é o vicio que quero pra mim.

    Comprei sua revista... ta lindona heim.
    Adorei sua historia.
    Só nao entendi uma coisa, la diz que com 29anos vc se vestia como uma senhora, e vc tem 31 anos... Como demorou 7 anos pra emagrecer..
    Fiquei confusa...

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Rô

    Ufa!! Agora ficou claro... eu fiquei ate tonta tentando entender aquela aritimetica da revista..haha
    Juro que reli umas duas vezes pra entender...aff

    Beijos Linda!!

    Hoje tem entrevista no divas com a Dany Aoki

    ResponderExcluir
  6. Aim Rô..
    Tenho muita vontade de correr, mais meu pé não deixa!!
    Morro de dor!!
    É uma pena!!!
    Adorei o post de hj
    Bjão e boa semana!!!

    ResponderExcluir
  7. Oi! boa a matéria! e a gente pensa que corrida só podia fazer bem, mas tudo tem seus prós e contras..
    beijo!

    ResponderExcluir
  8. Oie! Como sempre, os melhores posts! Nem há o q complementar, o texto fala por si só...e olha eu ali na foto outra vez! hehehehe
    Saudades daquele finde espectacular na cidade maravilhosa...
    Bjão,
    teu fã!
    Mágnor

    ResponderExcluir
  9. Oi, obrigada pelo apoio no Virtus! :) Eu gostei da reportagem, embora todos os vícios sejam mesmo preocupantes. Não quero viciar, mas me habituar a correr. Retomarei devagar, com as caminhadas. Chego lá! Bjs

    ResponderExcluir
  10. é promete rsrsrs . vms lutar por bosn resultados neh mesmo??? tenha uma linda semana flor bjs

    ResponderExcluir
  11. amiga..ainda sendo reconhecida pela revista?
    isso eh otimo ne?
    nao li todo o post que fala da corrida..qndo eu tiver mais tempinho volto pra ler..deve ser mto interessante..
    e falando da minha compulsao..consegui me superar mesmo esse findi
    amiga uma otima semana pra vc bjussss

    ResponderExcluir
  12. Olá qrda,eu até q estava precisando desse vicio,rs..Rô parabéns pela revista,pena q aqui ñ tenha,gostava mt d ler a sua entrevista..um grd bjinho

    ResponderExcluir
  13. AI AMIGA QUE SACO.... desculpa por não esta diariamente aqui no seu blog.. nossa nem tinha visto o poster da revista aiii... q tipo de amiga eu sou?... mas quero te dar os meu parabens vc esta maravihosa te aadoro

    ResponderExcluir
  14. Oi querida amiga,

    Nossa, correr é bom mas temos que saber se estamos fazendo tudo corrido, muito bom o post.

    Amiga, obrigada pelo apoio..não vejo a hora de poder colocar minhas fotinhas da primeira corrida..hehe..

    Bjinhos!

    ResponderExcluir
  15. Oi querida obrigada pela visita no meu blog.
    Adorei a reportagem sobre corrida, acho que estou ficando viciada, se fico um dia sem fazer uma caminhada com corridinha me sinto muito culpada.
    E olha que eu faço academia depois.
    To vendo que tenho que me cobrar menos.
    Um bjão e uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  16. eu e o maridinho estamos tentando espero viciar logo rsrsrs
    bjim e otima semana

    ResponderExcluir
  17. Vou te confessar uma coisa: ESSE ANO EU COMECEI A CORRER.
    HAuhauhauahuhauhaua

    É a melhor coisa q eu já fiz e a sensação é única.

    Ainda estou muito acima do peso, mas eu corro mesmo assim, o povo me chama de gorda assanhada - mas eu nem ligo.

    Amei seu blog, e eu tenho a sua revista.

    Beiijos Flor,

    Alana

    ResponderExcluir
  18. Olá,
    Você esteve em meu blog e vim retribuir a visita.
    Muito interessante as reportagens postada por você.
    Sei como é a luta diária contra a balança. Desde adolescente sempre fui gordinha, e já passei uns maus bocados.
    Hoje em dia estou mais controlada, nem por isso escapo dos altos e baixos da balança...
    Abraços e parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  19. eu tenho tanta vontade de correr sabe, mais é tão dificil...num consigo...acho q num sei respirar...

    bjinhos flor :*

    ResponderExcluir
  20. Muito boa essa matéria,eu gosto de correr na esteira,mas eu pego leve.
    Parabéns pela capa da revista, vc está linda.
    beijos.

    ResponderExcluir
  21. Oi Rô,

    Que interessante isso, não sabia que exercício tb podia fazer mal...

    Mas que corrida vicia e é tudo de bom, eu concordo... hehehe.

    ResponderExcluir